As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

quinta-feira, outubro 11, 2012

Brasil A Saudade Nossa de Cada Dia

Essa  reportagem de Junior Schutt, descreve um pouquinho o cotidiano dos brasileiros que
residem nos Estados Unidos, e as saudades que enfrentam em suas trajetórias por uma melhor
qualidade de vida.
Vale a pena conferir!


By Junior Schutt

Mencionar o Brasil, estando fora do país é sempre sinônimo de saudade, seja pelo clima,
pelas pessoas, pelos queridos que deixamos para trás, pela comida, pela alegria contagiante
tipicamente brasileira. Creio que esse é um sentimento universal para todo imigrante que carrega
no peito a vontade de reencontrar-se com aqueles a quem ama, um sentimento presente no
cotidiano de todo imigrante que largou a nação amada para construir um futuro seguro. Quem não
sente saudades, e o que é esse sentimento, como afeta as pessoas, como lidamos com esse fato?
Bob Marley escreveu que “saudade é um sentimento que quando não cabe no peito, escorre pelos olhos...”. Conversei com pessoas em nossa comunidade, imigrantes como eu, que há anos não
estão no ambiente familiar chamado Brasil, para ouvir a opinião a esse respeito.



Viviane Lisboa, 22 anos, baiana, 2 anos nos EUA:

“A grande saudade que sinto é da minha família. Gosto da vida aqui, já estou acostumada
com o  país, mas sinto falta da união que tenho com meus familiares, quando estávamos sempre
juntos em  todas as ocasiões. No início eu chorava muito, mas o avanço tecnológico facilita e
ajuda a matar a saudade. Também creio que em pouco tempo estarei pronta para visitar meu
Brasil.”


Sheila Souza, 47 anos, goiana, 8 anos nos EUA:

“Grande saudade do meu filho, do cheiro, do abraço, de conversar com ele. Sinto falta de toda
família. É muito dificil lidar com a saudade, com a distância. Mesmo com a webcam, gostaria de
tocar, de sentir minha família perto de mim. É um sentimento doloroso, chego a ligar várias vezes
ao dia, tentando me aproximar através de palavras. Tenho a esperança de que um dia estaremos
todos juntos novamente.”


Lúcia Pereira, 57 anos, mineira, 14 anos nos EUA:

“Sinto falta de tudo: a comida, os amigos, as frutas, os parentes e especialmente o clima e o
calor humano brasileiro. Sinto uma vontade enorme de regressar, faço muitas orações para
amenizar a saudade. Estou sempre conectada com os queridos lá. Gosto muito deste país, mas
chegou a hora de voltar. Ainda não alcancei meu objetivo, pois sempre me dediquei a ajudar as
pessoas, mas estou grata pela oportunidade e pronta para voltar.”


Alan Lima, 34 anos, paulista, 9 anos nos EUA:

“Uma grande falta das pessoas, especialmente do meu filho. Confesso que não sinto falta do país,
porque tudo lá é muito difícil, inclusive quando não tem estudos. Converso sempre com a minha
família, aliás é a única maneira de matar a saudade para os indocumentados. No início machucava
muito, mas quando você tem um objetivo, deve-se pagar um preço. As pessoas confundem o
aspecto de vida deste país, achando que deixaram de gostar, mas o amor continua, na
esperança do reencontro. Aprendi a lidar com a saudade, sinto-me preparado para enfrentar
a vida sozinho.”


Larissa Vilaça, 24 anos, mineira, 1 ano nos EUA:
“É muito grande a falta das minhas irmãs, dói bastante. Sinto um aperto no coração, pois nasceu
meu sobrinho e ainda não o conheci. Sinto falta de passar tempo com elas, pois fazíamos tudo juntas.
E uso o avanço da internet para estar conectada com a família.”


Marilia Delong, 27 anos, paranaense, 4 anos nos EUA:
“Sentimento muito difícil, é o forte desejo do reencontro. Sinto falta apenas da minha família, caso
contrário ficaria apenas aqui, pois gosto muito deste lugar. Uso o telefone e webcam todos os dias,
mas não é suficiente, pois parece muito superficial.”


Jean Karol, 29 anos, capixaba, 11 anos nos EUA:

“Sinto muita falta, especialmente da minha mãe que está passando por momentos muito difíceis. Essa
 falta tem sido constante, pois com a morte de meu pai, ela insiste em que eu volte. É difícil explicar
como lidar com isso, é algo que vai apertando, mas temos de ser espertos para preencher a saudade
com outras coisas, como estar com os amigos, sempre compartilhando alegria. O futebol também me
 traz alívio. Estou ansioso para casar este ano e poder regressar à terra amada.”


Publicado originalmente em Brazilian Press - Jornal da comunidade brasileira residente 
nos EUA

segunda-feira, outubro 08, 2012

Com Ronaldo, Zidane e outros craques, Brasil sediará 10ª edição da Partida Contra a Pobreza




 As duas lendas do futebol e embaixadores da Boa Vontade do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD), Ronaldo e Zinédine Zidane, convidam alguns dos melhores jogadores de futebol do mundo para se juntar a eles na 10ª edição da Partida Contra a Pobreza (Match Against Poverty), dia 19 de dezembro de 2012, no Brasil, na Arena do Grêmio, em Porto Alegre.

Como embaixadores da Boa Vontade do PNUD, Ronaldo e Zidane serão os capitães de cada equipe do amistoso cujo objetivo é mobilizar o público no combate à pobreza.

“A luta contra a pobreza não é uma simples diversão”, afirmou Ronaldo, que lançou a iniciativa Partida Contra a Pobreza com Zidane há dez anos. “Nós jogamos esta partida para arrecadar fundos e, ao mesmo tempo, conscientizar as pessoas de que a solução para o problema está nas mãos de todos. Se trabalharmos juntos, todos serão vencedores na Partida Contra a Pobreza.”

Zidane, que irá jogar no Brasil pela primeira vez, disse que, depois de dez anos atuando ao lado de Ronaldo, está animado para encarar tanto ele quanto seus amigos nesta na Partida Contra a Pobreza. “Mesmo sendo um amistoso, estou ansioso para enfrentar meu velho amigo em Porto Alegre”, declarou.

A Partida em Porto Alegre segue o exemplo de nove edições bem sucedidas do evento, que já aconteceu em Basileia (Suíça), Madri (Espanha), Dusseldorf (Alemanha), Marselha (França), Málaga (Espanha), Fez (Marrocos), Lisboa (Portugal), Atenas (Grécia) e Hamburgo (Alemanha). Todo ano, o dinheiro arrecadado com a Partida é usado para apoiar projetos específicos em diferentes países que estão enfrentando desafios difíceis. “No décimo jogo, nós vamos usar a renda recolhida para criar soluções para o meu país e também para um programa na África no qual o Brasil participa ativamente”, explicou Ronaldo.

A lenda italiana Pierluigi Collina, que apitou oito das nove partidas realizadas até hoje, será novamente o árbitro da edição deste ano. “Não é fácil encontrar uma iniciativa filantrópica com um histórico de dez anos. A Partida Contra a Pobreza conseguiu este feito e isso é incrível!”, declarou. “Para mim sempre foi um privilégio ser convidado para ser o árbitro destas partidas e dar minha contribuição para aqueles que precisam”, afirmou Collina.

Rebeca Grynspan, Administradora-Adjunta do PNUD, acredita que a Partida Contra a Pobreza é um dos eventos mais populares e de maior alcance para o PNUD e seus parceiros. “Como o futebol é um dos esportes mais conhecidos do mundo e a pobreza é um desafio global, o evento é um instrumento maravilhoso para mobilizar pessoas e garantir que todos, em qualquer lugar do mundo, possam levar vidas saudáveis, produtivas e recompensadoras.”

Neste ano, o jogo acontecerá na Arena do Grêmio às 21h (horário de Brasília) e está sendo organizado pela agência 9ine Sports & Entertainment. O evento anual, televisionado para todo o mundo, é apoiado pela Federação Internacional de Futebol (FIFA) e pela União das Federações Europeias de Futebol (UEFA).

Ronaldo e Zidane fazem parte de um grupo de elite dos embaixadores da Boa Vontade do PNUD, que inclui outras estrelas do futebol, como Didier Drogba, Iker Casillas e Marta Vieira da Silva, e também o príncipe da Noruega Haakon Magnus, a atriz japonesa Misako Konno, a tenista Maria Sharapova e o ator espanhol Antonio Banderas.

Publicado originalmente em UNICRio

quinta-feira, outubro 04, 2012

Fieg presta homenagem a personalidades da indústria, com a “Medalha da Ordem do Mérito Industrial”, por relevantes contribuições ao desenvolvimento.


Por Dinalva Heloiza 

Com agenda marcada para ocorrer no espaço do Centro Cultural Paulo Afonso Ferreira - Teatro SESI – em 18 de outubro de 2012, às 20 horas, será realizada a solenidade de entrega da mais elevada condecoração da indústria, a Medalha da Ordem do Mérito Industrial.

A homenagem, concedida pela Fieg a personalidades e instituições, é um reconhecimento do setor produtivo por relevantes serviços prestados ao desenvolvimento socioeconômico do Estado e do País.
Este ano, serão oito condecorados pela Ordem do Mérito Industrial da Fieg, são eles:


1. Antônio de Sousa Almeida – Empresário, possui uma histórica trajetória de lutas junto ao setor produtivo goiano. Hoje ele preside o Conselho Temático de Responsabilidade Social da FIEG, onde em conjunto com toda a diretoria, ele estimula, promove, e busca estabelecer ao setor produtivo em Goiás, uma nova visão relativa aos padrões de administração e produção do setor alinhados com a Responsabilidade Social Empresarial.

Antonio acumula ainda os cargos de terceiro vice-presidente da FIEG; presidente do Conselho Temático de Responsabilidade Social da FIEG, e a presidência do SIGEGO – Sindicato das Indústrias Gráficas em Goiás.  Empresário do setor gráfico em Goiás, a Gráfica Kelps, desenvolve uma linha de serviços voltada principalmente aos talentos da literatura em Goiás. Escritores e Jornalistas, em todo o estado tem seus trabalhos publicados pela Kelps.

2. João Essado, empresário no setor de curtume em Goiás, João Essado, é também Presidente do Sindicato das indústrias de Curtume e correlatos no estado de Goiás, e um dos membros do Conselho de Meio Ambiente da FIEG, o qual tem prestado relevante apoio às indústrias em Goiás no contexto de suas atividades e os impactos ambientais relacionados às mesmas.


3. José Magno Pato, empresário, é também presidente do sindicato das indústrias de Carnes e Derivados no estado de Goiás e Tocantins, e Membro do Conselho Temático de Comércio Exterior da FIEG. Magno Pato possui uma extensa ficha de serviços, lutas e conquistas, que beneficiam o setor produtivo de carnes e derivados no estado.


4. Marduk Duarte - Empreendedor dinamico, é presidente da Confederação Nacional dos Jovens Empresários (CONAJE). Advogado, integra as comissões de Direito Imobiliário e Urbanístico e Direito Empresarial da OAB-GO. Além disso é empresário e industrial goiano. Foi ainda vice-presidente do Conselho Temático Fieg Jovem. Marduk foi presidente da AJE- Associação Jovem Empreendedor em Goiás, por dois mandatos, hoje ele é membro do Conselho Consultivo da entidade.  


5. Orizomar Araújo Siqueira, empresário, Cromart - Ind. e Com. de Trancas para Veículos Automotores;    é também presidente do Conselho Temático de Relações do Trabalho da FIEG. É também presidente do SIMELGO - Sindicato das Indústrias Metalúrgicas, Mecânicas e de Material Elétrico do Estado de Goiás.


6. Pedro Daniel Bittar, empresário, ex- Presidente da ACIEG, Membro do Conselho de Curadores da UFG e 1ª Corte de Conciliação e Arbitragem da ACIEG; Membro do Comitê Estadual de Implementação do Estatuto Nacional da Microempresa e Empresa de Pequeno Porte . Seplan/Sebrae. É também Membro do Conselho de Administração da AGIR/ Assoc. Goiana de Integralização e Reabilitação (CRER), dentre outros.

                                                       

                                              não encontramos imagens disponibilizadas 


7. Reinaldo Fonseca dos Reis, é economista, foi pioneiro na criação de entidades representativas da categoria em Goiás. Participou ativamente da diretoria do Sindicato dos Economistas do Estado de Goiás, desde a formação da entidade. Foi também nomeado primeiro delegado em Goiás na gestão 1975/1976 do Conselho. Regional de Economia de Brasília – DF, 11ª Região, dentre outros.


8. Robson Braga de Andrade, Presidente da Confederação Nacional da Indústria.

Eleito por unanimidade presidente da Confederação Nacional da Indústria (CNI) em 12 de maio último, Robson Braga de Andrade foi empossado oficialmente em 29 de outubro passado para comandar a entidade pelos próximos quatro anos, em substituição a Armando Monteiro Neto, que exerceu o cargo por dois mandatos.

Ex-presidente da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (FIEMG) por dois mandatos (2002 a 2010), Robson Braga de Andrade, 61 anos, é mineiro de São João Del Rey. Engenheiro mecânico formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), industrial, será o 12º presidente da CNI.

Há 30 anos, Robson Braga de Andrade preside a Orteng Equipamentos e Sistemas Ltda, empresa de ponta sediada em Contagem, cidade da região metropolitana de Belo Horizonte, que produz equipamentos para os segmentos de energia, petróleo, gás, mineração, siderurgia, saneamento, telecomunicações e transportes.

Antes de ser eleito, era segundo vice-presidente da CNI. Foi presidente dos conselhos temáticos de Meio Ambiente e de Assuntos Legislativos da entidade, diretor do conselho de Empresários da América Latina (2004/2006), membro do Conselho de Estratégia da ABDIB (Associação Brasileira de Infraestrutura e Indústrias de Base, 2001/2003).

É membro titular do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República (CDES) e vice-presidente da Confederação Empresarial da CPLP (Comunidade dos Países de Língua Portuguesa). Coordenou, também na CNI, os trabalhos da Comissão Especial de Mineração, que identificou uma agenda comum dos segmentos da mineração e elaborou propostas de aperfeiçoamento das políticas e do marco regulatório do setor.

Robson Braga de Andrade é especializado em gestão estratégica para dirigentes empresariais pela Fundação Dom Cabral e pelo INSEAD (Instituto Europeu de Administração de Negócios), na França.

História do Prêmio “Ordem do Mérito Industrial”

Criada em 1958 pela CNI para distinguir personalidades e instituições pelos relevantes serviços prestados à indústria e ao País, a Medalha da Ordem do Mérito Industrial foi instituída por inspiração do exemplo de pioneiros do setor produtivo que, com criatividade e visão de futuro, forjaram as bases do moderno parque industrial brasileiro. A exemplo da CNI, a Fieg instituiu, em 1968, seu Mérito Industrial, como reverência do segmento industrial a empresários e personalidades que se destacaram no cenário goiano.

Em Goiás, o Mérito Industrial já foi outorgado a 87 personalidades, dentre elas cinco ex-ministros de Estado e seis ex-governadores, o Tribunal de Justiça do Estado de Goiás, quando completou 100 anos, e a Organização Jaime Câmara, no meio século do Jornal O Popular.

Fonte: FIEG

Créditos das Fotos - Arquivo de Imagens da FIEG/ACIEG/CNI

Estratégias para resíduos sólidos serão discutidas em 2013


Por Agostinho Vieira


As contribuições de representantes da sociedade civil, de governos e do setor privado para a implantação da Política Nacional de Resíduos Sólidos (PNRS) no país serão concluídas no fim do ano que vem. Enquanto isso, os debates municipais e regionais que precedem o encontro, marcado para outubro de 2013, começam em três meses. Mas será apenas durante a 4ª Conferência Nacional de Meio Ambiente (CNMA), que esses setores vão apresentar, em tom mais conclusivo, as estratégias que já foram incorporadas em suas atividades e as novas medidas que ainda poderão ser adotadas.

Silvano Silvério da Costa, diretor do Departamento de Ambiente Urbano do Ministério do Meio Ambiente (MMA), explicou que a conferência é um processo. “Haverá mobilização local para depois chegar à conferência. Temos as etapas regional e municipal que começam em janeiro”, acrescentou. Ao lembrar que os debates municipais e regionais terão início poucos dias depois da posse dos novos prefeitos, que serão eleitos este mês, o diretor do MMA acrescentou que eles começarão os mandatos dando prioridade à área em que há maior necessidade de medidas urgentes.

Silvério destacou que a conferência não é o local das “resoluções”, mas tem papel fundamental para esclarecer metas e driblar dificuldades na adoção das exigências previstas pela PNRS. Alguns especialistas endossam a aposta e acreditam que tanto a conferência quanto os eventos preparatórios podem minimizar, ao longo desses meses, alguns dos temores em relação às determinações da política.

“A estratégia do governo é priorizar a implementação da politica”, disse Silvério. Mas, as regras, criadas em 2010, com responsabilidades previstas para todos os setores e esferas de governo no tratamento e destinação de resíduos, ainda estão longe dos resultados esperados.

Este ano, por exemplo, alguns prazos importantes, previstos pela PNRS, chegaram ao fim. Desde o último dia 2 de agosto, as prefeituras e governos estaduais que quiserem recursos federais para o manejo de resíduos têm que apresentar um plano local com estratégias para o setor. A norma e o prazo foram publicados há dois anos, mas a maioria das administrações locais não cumpriu a determinação. Mais de 90% das prefeituras não apresentaram os planos municipais.

As autoridades estaduais e municipais alertam, agora, para as dificuldades em desativar lixões. A política nacional prevê que todos os lixões do país sejam extintos até 2014. Muitos administradores públicos, no entanto, alegam não ter recursos suficientes para atender à exigência e apontam o excesso de burocracia, principalmente em relação aos contratos licitados com empresas de transporte e administradoras de depósitos que ainda estarão em vigor em 2014.

“Costumo dizer que o prazo dos lixões é muito ousado, mas tivemos uma avaliação história que mostrou que em 1998, 35% dos resíduos eram despejados em aterros. Esse volume aumentou para 58% em 2008, período em que ainda não tínhamos a Política Nacional de Resíduos Sólidos”, disse Silvério, acrescentando que o fim dos lixões já é uma “tendência dos últimos dez anos e por isso não é impossível”. Dados do Ministério das Cidades mostram que mais da metade dos 5.564 municípios brasileiros ainda não dão a destinação correta para o lixo.

Pelo lado dos empresários, a discussão gira em torno da logística reversa, que prevê o retorno para a indústria de materiais como eletroeletrônicos e pneus, para que possam ser novamente aproveitados pelo fabricante. O mecanismo exige o envolvimento de todos na linha de produção e distribuição, desde fabricantes, importadores, distribuidores, comerciantes e o próprio consumidor.

O governo pretende, com a conferência, aumentar o conhecimento técnico, científico e político sobre o tema. “O que vai acontecer é um processo de cada um internalizar as responsabilidades e implementar. A conferência vai dar luz e capilaridade ao debate. A intenção não é levantar demandas, mas mostrar que cada um pode absorver sua responsabilidade”, explicou Silvério.

A aposta é que com esse tipo de debate, empresas, governos e organizações sociais busquem alternativas que integrem produção e consumo sustentáveis, a redução de impactos ambientais nas cidades brasileiras e que estimulem a geração de emprego e renda a partir das medidas adotadas em todo o país em relação ao tratamento e destino de resíduos sólidos.

Técnicos do MMA ainda estão elaborando o texto-base que servirá de ponto de partida para as discussões entre representantes de universidades, povos indígenas, comunidades tradicionais, trabalhadores, organizações não governamentais, movimentos sociais e empresários.

Publicado originalmente em Ecoverde/Globo.com
(Fonte/Agência Brasil)

terça-feira, outubro 02, 2012

Mensalão: Entenda o que significa cada crime


Do Lei dos Homens – Gilbson Alencar


Confira, a seguir, os crimes pelos quais os réus no processo do mensalão (Ação Penal 470) estão sendo acusados. Veja o que significam, a legislação, as penas e os nomes dos envolvidos em cada caso. O crime com mais acusados é o de Lavagem de Dinheiro (32 réus) e com menos acusados é de Gestão Fraudulenta (4 réus). O Supremo Tribunal Federal (STF) iniciou o julgamento da AP 470 no dia 2 de agosto.
1. Formação de quadrilha (artigo 288 do Código Penal)
O que é: Associarem-se mais de três pessoas, em quadrilha ou bando, para o fim de cometer crimes.
Pena: reclusão, de 1 a 3 anos.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano de Mello Paz, Rogério Lanza Tolentino, Simone Reis Lobo de Vasconcelos, Geiza Dias dos Santos, Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane, Ayanna Tenório Torres de Jesus, Pedro da Silva Corrêa de Oliveira Andrade Neto, Pedro Henry Neto, João Cláudio de Carvalho Genu, Enivaldo Quadrado, Breno Fischberg, Carlos Alberto Quaglia, Valdemar Costa Neto, Jacinto de Souza Lamas, e Antônio de Pádua de Souza Lamas (pedido de absolvição em alegações finais, com base no art. 386, inciso VII do Código de Processo Penal).
Total: 22 réus.
2. Corrupção ativa (artigo 333 do Código Penal)
O que é: Oferecer ou prometer vantagem indevida a funcionário público, para determiná-lo a praticar, omitir ou retardar ato de ofício.
Pena: reclusão, de 2 a 12 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: José Dirceu, José Genoino, Delúbio Soares, Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano de Mello Paz, Rogério Lanza Tolentino, Simone Reis Lobo de Vasconcelos, Geiza Dias dos Santos e Anderson Adauto Pereira.
Total: 10 réus.
3. Corrupção passiva (artigo 317 do Código Penal)
O que é: Solicitar ou receber, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, ainda que fora da função ou antes de assumi-la, mas em razão dela, vantagem indevida, ou aceitar promessa de tal vantagem.
Pena: reclusão, de 2 a 12 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: Roberto Jefferson, João Paulo Cunha, Henrique Pizzolato, Pedro da Silva Corrêa de Oliveira Andrade Neto, Pedro Henry Neto, João Cláudio de Carvalho Genu, Valdemar Costa Neto, Jacinto de Souza Lamas, Carlos Alberto Rodrigues Pinto (Bispo Rodrigues), Emerson Eloy Palmieri, Romeu Ferreira Queiroz e José Rodrigues Borba.
Total: 12 réus.
4. Peculato (artigo 312 do Código Penal)
O que é: Apropriar-se o funcionário público de dinheiro, valor ou qualquer outro bem móvel, público ou particular, de que tem a posse em razão do cargo, ou desviá-lo, em proveito próprio ou alheio.
Pena: reclusão, de 2 a 12 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano de Mello Paz, João Paulo Cunha, Luiz Gushiken (pedido de absolvição em alegações finais, com base no art. 386, inciso VII do Código de Processo Penal) e Henrique Pizzolato.
Total: 6 réus.
5. Lavagem de dinheiro (artigo 1º, incisos V, VI e VII, da Lei nº 9.613/98)
O que é: Ocultar ou dissimular a natureza, origem, localização, disposição, movimentação ou propriedade de bens, direitos ou valores provenientes, direta ou indiretamente de crime praticado por organização criminosa: contra a Administração Pública, inclusive a exigência, para si ou para outrem, direta ou indiretamente, de qualquer vantagem, como condição ou preço para a prática ou omissão de atos administrativos; e contra o sistema financeiro nacional (Revogado pela Lei nº 12.683, de 2012).
Pena: reclusão, de 3 a 10 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: Roberto Jefferson, Marcos Valério, João Paulo Cunha, Ramon Hollerbach, Cristiano de Mello Paz, Rogério Lanza Tolentino, Simone Reis Lobo de Vasconcelos, Geiza Dias dos Santos, Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane, Henrique Pizzolato, Pedro da Silva Corrêa de Oliveira Andrade Neto, Pedro Henry Neto, João Cláudio de Carvalho Genu, Enivaldo Quadrado, Breno Fischberg, Carlos Alberto Quaglia, Valdemar Costa Neto, Jacinto de Souza Lamas, Antônio de Pádua de Souza Lamas (pedido de absolvição em alegações finais, com base no art. 386, inciso VII do Código de Processo Penal), Carlos Alberto Rodrigues Pinto (Bispo Rodrigues), Emerson Eloy Palmieri, Romeu Ferreira Queiroz, Paulo Roberto Galvão da Rocha, Anita Leocádia Pereira da Costa, Luiz Carlos da Silva (Professor Luizinho), João Magno de Moura, Anderson Adauto Pereira, José Luiz Alves, José Eduardo Cavalcanti de Mendonça (Duda Mendonça) e Zilmar Fernandes Silva.
Total: 32 réus.
6. Evasão de divisas (artigo 22, parágrafo único, da Lei nº 7.492/86)
O que é: Efetuar operação de câmbio não autorizada, com o fim de promover evasão de divisas do País. Incorre na mesma pena quem, a qualquer título, promove, sem autorização legal, a saída ou divisa para o exterior, ou nele mantiver depósitos não declarados à repartição federal competente.
Pena: reclusão, de 2 a 6 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: Marcos Valério, Ramon Hollerbach, Cristiano de Mello Paz, Simone Reis Lobo de Vasconcelos, Geiza Dias dos Santos, Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane, José Eduardo Cavalcanti de Mendonça (Duda Mendonça) e Zilmar Fernandes Silva.
Total: 10 réus.
7. Gestão fraudulenta (artigo 4º da Lei nº 7.492/86)
O que é: Gerir fraudulentamente instituição financeira.
Pena: reclusão, de 3 a 12 anos, e multa.
Réus no processo do mensalão acusados pela prática desse crime: Kátia Rabello, José Roberto Salgado, Vinícius Samarane e Ayanna Tenório Torres de Jesus.
Total: 4 réus.
Fonte: Planalto e Código Penal (Editora Revista dos Tribunais – 11ª edição)

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

Governo de Goiás

São Paulo