As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

quinta-feira, outubro 11, 2012

Brasil A Saudade Nossa de Cada Dia

Essa  reportagem de Junior Schutt, descreve um pouquinho o cotidiano dos brasileiros que
residem nos Estados Unidos, e as saudades que enfrentam em suas trajetórias por uma melhor
qualidade de vida.
Vale a pena conferir!


By Junior Schutt

Mencionar o Brasil, estando fora do país é sempre sinônimo de saudade, seja pelo clima,
pelas pessoas, pelos queridos que deixamos para trás, pela comida, pela alegria contagiante
tipicamente brasileira. Creio que esse é um sentimento universal para todo imigrante que carrega
no peito a vontade de reencontrar-se com aqueles a quem ama, um sentimento presente no
cotidiano de todo imigrante que largou a nação amada para construir um futuro seguro. Quem não
sente saudades, e o que é esse sentimento, como afeta as pessoas, como lidamos com esse fato?
Bob Marley escreveu que “saudade é um sentimento que quando não cabe no peito, escorre pelos olhos...”. Conversei com pessoas em nossa comunidade, imigrantes como eu, que há anos não
estão no ambiente familiar chamado Brasil, para ouvir a opinião a esse respeito.



Viviane Lisboa, 22 anos, baiana, 2 anos nos EUA:

“A grande saudade que sinto é da minha família. Gosto da vida aqui, já estou acostumada
com o  país, mas sinto falta da união que tenho com meus familiares, quando estávamos sempre
juntos em  todas as ocasiões. No início eu chorava muito, mas o avanço tecnológico facilita e
ajuda a matar a saudade. Também creio que em pouco tempo estarei pronta para visitar meu
Brasil.”


Sheila Souza, 47 anos, goiana, 8 anos nos EUA:

“Grande saudade do meu filho, do cheiro, do abraço, de conversar com ele. Sinto falta de toda
família. É muito dificil lidar com a saudade, com a distância. Mesmo com a webcam, gostaria de
tocar, de sentir minha família perto de mim. É um sentimento doloroso, chego a ligar várias vezes
ao dia, tentando me aproximar através de palavras. Tenho a esperança de que um dia estaremos
todos juntos novamente.”


Lúcia Pereira, 57 anos, mineira, 14 anos nos EUA:

“Sinto falta de tudo: a comida, os amigos, as frutas, os parentes e especialmente o clima e o
calor humano brasileiro. Sinto uma vontade enorme de regressar, faço muitas orações para
amenizar a saudade. Estou sempre conectada com os queridos lá. Gosto muito deste país, mas
chegou a hora de voltar. Ainda não alcancei meu objetivo, pois sempre me dediquei a ajudar as
pessoas, mas estou grata pela oportunidade e pronta para voltar.”


Alan Lima, 34 anos, paulista, 9 anos nos EUA:

“Uma grande falta das pessoas, especialmente do meu filho. Confesso que não sinto falta do país,
porque tudo lá é muito difícil, inclusive quando não tem estudos. Converso sempre com a minha
família, aliás é a única maneira de matar a saudade para os indocumentados. No início machucava
muito, mas quando você tem um objetivo, deve-se pagar um preço. As pessoas confundem o
aspecto de vida deste país, achando que deixaram de gostar, mas o amor continua, na
esperança do reencontro. Aprendi a lidar com a saudade, sinto-me preparado para enfrentar
a vida sozinho.”


Larissa Vilaça, 24 anos, mineira, 1 ano nos EUA:
“É muito grande a falta das minhas irmãs, dói bastante. Sinto um aperto no coração, pois nasceu
meu sobrinho e ainda não o conheci. Sinto falta de passar tempo com elas, pois fazíamos tudo juntas.
E uso o avanço da internet para estar conectada com a família.”


Marilia Delong, 27 anos, paranaense, 4 anos nos EUA:
“Sentimento muito difícil, é o forte desejo do reencontro. Sinto falta apenas da minha família, caso
contrário ficaria apenas aqui, pois gosto muito deste lugar. Uso o telefone e webcam todos os dias,
mas não é suficiente, pois parece muito superficial.”


Jean Karol, 29 anos, capixaba, 11 anos nos EUA:

“Sinto muita falta, especialmente da minha mãe que está passando por momentos muito difíceis. Essa
 falta tem sido constante, pois com a morte de meu pai, ela insiste em que eu volte. É difícil explicar
como lidar com isso, é algo que vai apertando, mas temos de ser espertos para preencher a saudade
com outras coisas, como estar com os amigos, sempre compartilhando alegria. O futebol também me
 traz alívio. Estou ansioso para casar este ano e poder regressar à terra amada.”


Publicado originalmente em Brazilian Press - Jornal da comunidade brasileira residente 
nos EUA

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente essa Postagem

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

Governo de Goiás

São Paulo