As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

terça-feira, março 07, 2017

As “Feridas Invisíveis”, dos Esquecidos!

Dinalva Heloiza


Às vésperas do sexto aniversário da guerra civil na Síria, a Save the Children, lança um relatório impactante intitulado, “Feridas Invisíveis”, onde a Organização Internacional faz um profundo alerta ao trágico perfil da situação do país e principalmente de suas crianças.

Essas crianças, menores sírios, cerca de 250 mil delas, vivem em zonas sitiadas pelo conflito que assola o país, e essas crianças estão sendo afetadas por bombardeios e ataques aéreos, ininterruptos, revela a Save The Children.

O relatório afirma que, familiares estão tendo que fazer face ao impacto psicológico à que as crianças estão expostas pelas explosões, escassez de alimentos, medicamentos básicos e água potável. Sitiadas em suas cidades, essas crianças estão tão assustadas e carentes que já "esperam sua vez para serem mortas", alerta a organização.

Para elaborar o documento, divulgado há quase seis anos após o início da guerra, a Save The Children entrevistou mais de 125 mães, pais e crianças, em 22 grupos separados.


Os resultados mostram que 84% dos adultos e quase todas as crianças acreditam que os bombardeios e contínuos ataques, são a principal causa do estresse psicológico que afeta a vida diária dessas crianças.

Os resultados do estudo apontam também que 50% delas, afirmam que nunca, ou raramente, se sentem seguras na escola, e 40% não se sentem seguras para brincar em áreas externas, nem mesmo fora de sua própria casa.

E mais, 89% dos adultos disseram que o comportamento das crianças tornou-se mais temeroso e nervoso à medida que a guerra avança, e ainda 71% afirmaram, que as crianças sofrem cada vez mais de incontinência urinária e micção involuntária.

Especialistas em saúde mental consultados para este relatório disseram que as crianças estão sofrendo de uma condição chamada "estresse tóxico", o que pode ocorrer quando crianças experimentam fortes adversidades, frequentes ou prolongadas, como a violência extrema que ocorre no conflito da Síria. A resposta ao estresse tóxico contínuo pode ter um impacto ao longo da vida e sobre a saúde mental e física dessas crianças.



A pesquisa revelou em como a guerra arruinou infâncias. Em entrevistas e grupos focais, verificaram-se que 78% das crianças estão tristes e depressivas durante todo o tempo e quase todos os adultos disseram que as crianças, apresentam-se normalmente mais nervosas ou aterrorizadas diante dos conflitos resultantes da guerra.

Em todos eles, os menores assinalaram um "pavor constante" e os pais apontam uma mudança radical no caráter de seus filhos, e que agora apresentam-se mais "retraídos, agressivos e depressivos".

Uma pressão psicológica constante se manifesta sobre essas crianças, o que está provocando sofrimentos, dores e causando doenças muitas vezes irreversíveis. Grande maioria das crianças estão apresentando incontinência urinária, micção involuntária em público, perda de voz, com crianças perdendo a capacidade total de se expressar através da fala, aumento das características agressivas e abuso de substâncias. Comunidades e profissionais também relatam, aumento no autoflagelação e tentativas de suicídio entre crianças de até 12 anos.

Quase todos os grupos revelaram que diversas crianças em suas comunidades morreram pela falta de medicamentos e acesso ao sistema de saúde. O relatório revela também, que houve uma redução no número de refeições diárias, e grupos denunciam a morte de crianças provocadas pela fome e má nutrição.

A Save The Children alerta ainda que, apesar de ter ampliado ajuda às zonas sitiadas na Síria, apenas uma pequena parte da ajuda necessária, entra no território. Essas crianças estão pagando o preço da inação do mundo, afirmou Misty Buswell, diretora da organização.


No documento, a organização apela às partes envolvidas no conflito para permitirem que a ajuda humanitária chegue sem restrições às zonas prejudicadas e que as escolas e hospitais sejam preservados dos ataques.

A UNICEF, Agência da ONU para a Infância e Adolescência, aponta que com a continuidade da crise, e para a qual não se vislumbra um fim, o futuro de uma geração inteira está em risco. Um quinto (4.200) das escolas na Síria foram destruídas, danificadas ou estão a ser usadas como abrigos ou para outros fins, incluindo grupos armados; e 52.000 professores foram mortos ou fugiram do país. Mais de 2.6 milhões de crianças sírias (no interior da Síria e nos países vizinhos) continuam sem ter acesso à educação.

Com informações da Save The Children's

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente essa Postagem

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

São Paulo