As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

quarta-feira, março 15, 2017

O Blog Brasil EcoNews, apresenta aqui uma entrevista com Adriana Quiñones, atual assessora regional da ONU Mulheres, que fala sobre as iniciativas regionais da entidade para por fim ao feminicídio.

A América Latina está vivendo uma onda poderosa de protestos contra inúmeros homicídios relacionados ao gênero. À medida que, mulheres e homens exigem o Fim dessa violência, através da Campanha #NiUnaMas (não mais mulheres serão mortas), Adriana Quiñones, atual assessora regional da ONU Mulheres, anteriormente Conselheira Regional pelo Fim da violência contra as mulheres na América Latina e no Caribe. fala sobre as iniciativas regionais para prevenir o feminicídio. 

                                   Adriana Quiñones, assessora regional da ONU Mulheres

 O feminicídio está acontecendo na região mais do que em outras partes do mundo?

Não temos dados comparáveis ​​sobre o feminicídio a nível global. Os dados que temos provêm da análise de gênero de 2016 sobre mortes violentas através de armas pequenas, o que nos é informado, é que entre os 25 países com as maiores taxas de feminicídio no mundo, 14 são da América Latina e do Caribe. O que não nos dizem, entretanto, é que, se  há um problema com a investigação e ou o reconhecimento apropriado desta situação em muitos países. Grande parte dos dados coletados sobre homicídios não estão desagregada por sexo. Isto significa que, em todo o mundo, muitas mortes de mulheres ainda não foram contabilizadas.

A América Latina, por sua vez, tem prestado uma atenção especial ao feminicídio desde os assassinatos de Juarez, na década de 1990. Na cidade fronteiriça mexicana de Juarez, um número sem precedentes de mulheres foram mortas e seus corpos mostraram sinais claros de tortura. Os mortíferos crimes de ódio foram um alerta para a América Latina e a região começou a estudar o assassinato sistemático de mulheres.

O que causa a violência fatal contra as mulheres na América Latina?

Os homicídios relacionados ao gênero são o último ato - um ponto culminante - em uma série de atos violentos. As pessoas muitas vezes não conseguem reconhecer a cadeia mortal de eventos que levam ao feminicídio. Um relacionamento abusivo não começa com o assassinato, mas o abuso se agrava e sem intervenção e apoio oportuno, as mulheres podem acabar assassinadas. Na América Latina, temos uma cultura de alta tolerância à violência contra mulheres e meninas. Você vê na mídia o tempo todo - os crimes contra as mulheres são exibidos com imagens muito toscas e ninguém parece se importar com isso. A violência torna-se normalizada; É visto como uma parte da vida cotidiana para as mulheres.

Em alguns países da região, as taxas de violência doméstica são tão altas quanto 50%, mas a violência contra as mulheres também acontece no ônibus, nas ruas e no local de trabalho. Sabemos que muitas vezes as mulheres não relatam violência, mas mesmo quando o fazem, muitos crimes contra elas não são investigados minuciosamente.

Em 2014, a ONU Mulheres e o Gabinete do Alto Comissariado para os Direitos Humanos lançaram o Modelo de Protocolo Latino-Americano para a investigação de homicídios de mulheres relacionados ao gênero.  Esse modelo foi desenvolvido em um processo participativo de dois anos, consultando especialistas da região e de todo o mundo. O que significa esse Protocolo?

O Modelo de Protocolo é uma ferramenta para a polícia, tribunais, funcionários dos sistemas de justiça e médicos forenses para investigar adequadamente o feminicídio. Este Modelo começa por definir crimes de ódio contra as mulheres e como eles precisam ser investigados e processados. Isso significa, em primeiro lugar, compreender e reconhecer a história da violência que levou ao feminicídio.

Quando uma mulher é encontrada assassinada em casa e você começa a fazer perguntas sobre a história da violência naquela casa, muitas vezes você pode descobrir que ela chegou a ir à polícia, ou que ela havia procurado cuidados médicos, mas ninguém colocou todas as peças para estabelecer o risco que esta pessoa foi exposta. Em todo o mundo, quase uma em cada duas mulheres assassinadas, foi morta por seu parceiro ou ex-parceiro em 2012. Esta proporção é de um em vinte para os homens.

O Protocolo explica claramente que é dever do Estado proteger as mulheres e isso significa: sanções, prevenção e reparações apropriadas. Ajudar as autoridades a compreenderem suas responsabilidades ao enfrentamento da violência contra as mulheres e também busca incluir os direitos das vítimas - ou seja, os parentes vivos das mulheres assassinadas que buscam por justiça.

O que a ONU Mulheres faz no combate ao feminicídio na América Latina?

A ONU Mulheres está apoiando os países que adotaram o Protocolo no cerne do desenvolvimento de uma legislação especializada sobre feminicídio, e também na criação de ferramentas eficientes no contexto do respectivo país, possibilitando, investigação e punição  adequada em combater todas as formas de violência contra as mulheres, incluindo o feminicídio. Em 2008, nove países da América Latina tinham legislação especial sobre feminicídio, agora já somam 16 países. O Brasil foi o primeiro país a adaptar-se ao Protocolo, levando a uma legislação histórica sobre o feminicídio, que foi aprovada em março de 2015. Este ano, a ONU Mulheres está apoiando a adaptação do Protocolo na Argentina.

Passar a legislação e entender que os feminicídios são crimes de ódio, já abre um espaço de discussão e cria consciência. Vemos que mais casos estão sendo tornados públicos, as pessoas estão falando sobre o assunto e as mulheres estão marchando em protesto nas ruas.

Na região, a UN Women ajuda na coleta de estatísticas comparáveis ​​e facilita o intercâmbio de experiências, desafios e boas práticas entre os países que já adotaram o protocolo e os países que ainda estão em processo de adoção.

O que é necessário para acabar com o feminicídio na região e além?

Acabar com a impunidade é crítico e adotar o Protocolo Modelo é o primeiro passo para isso.
Necessitamos de estatísticas palpáveis ​​para analisar e comparar entre esses países o que funciona e o que não funciona no combate ao feminicídio. Quando obtemos melhores estatísticas, podemos analisar e comparar os padrões e a gravidade da situação, e antecipar políticas direcionadas.

É de fundamental importância que se dê uma grande ênfase a prevenção, para que possamos colocar todos os agressores na prisão, mas se não modificarmos as causas estruturais, as atitudes e percepções que apontam para a violência contra as mulheres, nunca vamos combatê-la. A Colômbia, por exemplo, aprovou uma legislação em 2015, que envolve o setor de educação em atividades de prevenção, nas escolas pré, média e superior. As crianças estão agora estudando o que significa gênero e como isso afeta nossas sociedades.

É necessário que o estado disponibilize serviços integrados e de alta qualidade, e que as mulheres possam confiar.  Entender que o feminicídio é o ato final de uma cadeia de atos de violência contra as mulheres, significa entender que o setor da saúde, os serviços sociais, a polícia e os setores da justiça devem trabalhar juntos.

O Uruguai implementou um projeto piloto bem sucedido com os tribunais, a polícia e o ministério das mulheres. Em uma situação de alto risco, um juiz pode ordenar o agressor a usar faixas eletrônicas conectadas a um dispositivo eletrônico que a mulher em risco carrega.  Se o agressor se aproxima dela, o dispositivo alerta a polícia automaticamente. Enquanto no programa, ambos também recebem apoio psicológico. Até agora, nenhuma das mulheres deste programa foi morta.


Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente essa Postagem

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

Governo de Goiás

São Paulo