As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

domingo, novembro 26, 2017

Tendências da Segurança de Jornalistas - Relatório Global 2017-2018 UNESCO

Dinalva Heloiza - com informações da UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura.

Em todo o mundo, o jornalismo está sob fogo.  Enquanto mais indivíduos têm acesso à conteúdos como nunca dantes, a luta contra a polarização política e as mudanças tecnológicas facilitam a rápida disseminação do discurso do ódio, misoginia e "falsas notícias", muitas vezes levando a restrições desproporcionais à liberdade de expressão. Em um número cada vez maior de países, os jornalistas enfrentam ataques físicos e verbais que ameaçam sua capacidade de reportar notícias e informações ao público.

Em face de tais desafios, este novo volume da série Tendências mundiais sobre liberdade de expressão e mídia desenvolve uma análise crítica das novas tendências da liberdade de mídia, do pluralismo, da independência e da segurança dos jornalistas. 

Com um enfoque especial na igualdade de gênero na mídia, o relatório fornece uma perspectiva global que serve como um recurso essencial para os Estados Membros da UNESCO, organizações internacionais, grupos da sociedade civil, academia e indivíduos que procuram compreender a mudança da paisagem global da mídia.

04)  Tendências da segurança de jornalistas


Entre 2012 e 2016, 530 jornalistas foram mortos, uma média de duas mortes por semana. Devido ao contínuo conflito e instabilidade, os assassinatos em partes da região árabe permanecem muito altos. Após um pico em 2012, a região africana testemunhou um declínio significativo nos assassinatos de jornalistas. 

O assassinato de mulheres jornalistas aumentaram durante o período, de cinco mulheres jornalistas mortas em 2012 para 10 em 2016. Embora os assassinatos de correspondentes estrangeiras tendam a obter a publicidade global, 92 por cento das jornalistas mortas durante este período eram repórteres locais. A impunidade por crimes contra jornalistas continua a ser a norma, com justiça em apenas um em cada 10 casos.

Tendências da Independência das Mídias - Relatório Global 2017-2018 UNESCO

Dinalva Heloiza - com informações da UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

Em todo o mundo, o jornalismo está sob fogo.  Enquanto mais indivíduos têm acesso à conteúdos como nunca dantes, a luta contra a polarização política e as mudanças tecnológicas facilitam a rápida disseminação do discurso do ódio, misoginia e "falsas notícias", muitas vezes levando a restrições desproporcionais à liberdade de expressão. Em um número cada vez maior de países, os jornalistas enfrentam ataques físicos e verbais que ameaçam sua capacidade de reportar notícias e informações ao público.

Em face de tais desafios, este novo volume da série Tendências mundiais sobre liberdade de expressão e mídia desenvolve uma análise crítica das novas tendências da liberdade de mídia, do pluralismo, da independência e da segurança dos jornalistas. 

Com um enfoque especial na igualdade de gênero na mídia, o relatório fornece uma perspectiva global que serve como um recurso essencial para os Estados Membros da UNESCO, organizações internacionais, grupos da sociedade civil, academia e indivíduos que procuram compreender a mudança da paisagem global da mídia.

03) Tendências da independência das mídias


A polarização da vida pública, observada em partes de todas as regiões abrangidas por este estudo, destaca a necessidade do jornalismo independente e profissional que seja capaz de fornecer informações verificáveis ​​como uma moeda de conteúdo comum para servir debates públicos efetivos e abertos. 

No entanto, em continuidade com as tendências destacadas no primeiro Relatório Mundial de Tendências, publicado em 2014, a independência da mídia está sob uma pressão aumentada, devido a interconexões complexas entre poder político e autoridades reguladoras, tentativas de influenciar ou deslegitimar a mídia e jornalistas, e encolher os orçamentos em organizações de notícias. Essa deterioração da independência da mídia se reflete em vários indicadores.

Tendências do Pluralismo das Mídias - Relatório Global 2017-2018 UNESCO

Dinalva Heloiza - com informações da UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura


Em todo o mundo, o jornalismo está sob fogo. Enquanto mais indivíduos têm acesso à conteúdos como nunca dantes, a luta contra a polarização política e as mudanças tecnológicas facilitam a rápida disseminação do discurso do ódio, da misoginia e das "falsas notícias", muitas vezes levando a restrições desproporcionais à liberdade de expressão. Em um número cada vez maior de países, os jornalistas enfrentam ataques físicos e verbais que ameaçam sua capacidade de reportar notícias e informações ao público.

                          

Em face de tais desafios, este novo volume da série Tendências mundiais sobre liberdade de expressão e mídia desenvolve uma análise crítica das novas tendências da liberdade de mídia, do pluralismo, da independência e da segurança dos jornalistas.

Com um enfoque especial na igualdade de gênero na mídia, o relatório fornece uma perspectiva global que serve como um recurso essencial para os Estados Membros da UNESCO, organizações internacionais, grupos da sociedade civil, academia e indivíduos que procuram compreender a mudança da paisagem global da mídia.

02) Tendências do pluralismo das mídias.

                                                     
O acesso a uma pluralidade de plataformas de mídia continuou a se expandir no período abrangido por este estudo. Cerca de metade da população mundial agora tem acesso à Internet, em parte devido ao rápido aumento da conectividade com a internet móvel, o que ocorreu na África, Ásia e Pacífico e também na América Latina e Caribe. 

A televisão por satélite e a mudança digital multiplicaram uma gama de canais aos quais os indivíduos passam a ter acesso. Outro aumento considerado substancial, observado à partir de 2012 foi a disponibilidade do conteúdo de mídias, o que se deu em grande parte por compartilhamento e conteúdo gerado pelos próprios usuários. 

sábado, novembro 25, 2017

Tendências da Liberdade de Mídia - Relatório Global 2017-2018 UNESCO

Dinalva Heloiza - com informações da UNESCO Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura

Em todo o mundo, o jornalismo está sob fogo.  Enquanto indivíduos têm acesso à conteúdos mais do que nunca, a luta contra a polarização política e as mudanças tecnológicas facilitam a rápida disseminação do discurso do ódio, da misoginia e das "falsas notícias", muitas vezes levando a restrições desproporcionais à liberdade de expressão. Em um número cada vez maior de países, os jornalistas enfrentam ataques físicos e verbais que ameaçam sua capacidade de reportar notícias e informações ao público.


Em face de tais desafios, este novo volume da série Tendências mundiais sobre liberdade de expressão e desenvolvimento da mídia, estabelece uma análise crítica das novas tendências da liberdade de mídia, do pluralismo, da independência e da segurança dos jornalistas.


Com um enfoque especial na igualdade de gênero na mídia, o relatório fornece uma perspectiva global que serve como um recurso essencial para os Estados Membros da UNESCO, organizações internacionais, grupos da sociedade civil, academia e indivíduos que procuram compreender a mudança da paisagem global da mídia.

01) Tendências da liberdade de mídia


As rápidas transformações políticas, tecnológicas e econômicas durante o período deste estudo colocaram novas tensões sobre a liberdade de mídia. O surgimento de novas formas de populismo político, bem como o que é visto como políticas autoritárias são assuntos que necessitam de muita atenção da mídia. 

Citando uma série de razões, incluindo a segurança nacional, os governos que cada vez mais monitoram e exigem a retirada de informações on-line, em muitos casos, não só relacionando-se com discurso e conteúdos de ódio, para incentivar o extremismo violento, mas também o que tem sido sendo visto como legítimos posicionamentos da sociedade. 

domingo, novembro 12, 2017

Algumas coisas na vida não se pode ignorar: a busca do amor, o desejo de conexão, a inevitabilidade da morte e a realidade sempre tão abundante de escolhas. Espalhe o amor, está chegando a 2ª Edição do Love Experience em Goiânia.

Por Dinalva Heloiza 
“Este é um século alcançado por questões prementes, e ainda sem ações solucionáveis, a exemplo das alterações climáticas, migração crescente, tensões sociais e econômicas - cuja resolução depende em grande parte das habilidades interculturais, e a imperiosa compreensão da unidade humana em toda sua diversidade,”, esse foi o contexto que orientou Adama Samassékou em sua proposta a UNESCO, que determinou a realização da primeira Conferencia Mundial de Humanidades, recentemente em Liége, na Bélgica.


E é com grande satisfação que venho observando um leque enorme de habilidades culturais que estão se alinhando à construção de um novo manifesto do pensamento e das relações humanas, fundamental a uma necessária mudança junto ao atual contexto da sociedade humana, e dentre eles destaco o “Love Experience”, cuja landmark oficial é o Coração de Rua, Movimento Mundial do Amor, criado em 2015, pelo genial artista goiano, Homero Maurício.

sábado, novembro 04, 2017

Acontece em Paris, França a 39ª Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco).

 Dinalva Heloiza


A Unesco celebra de 30 de Outubro a 14 de Novembro a realização da 39ª Conferência Geral da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura, a conferencia, é considerada o maior evento da organização do contexto internacional e dos mais recentes acontecimentos ocorridos na maior organização da  ONU, na consolidação da paz junto à todos os povos da terra. 

                                          Miss Irina Bokova - Diretora Geral da UNESCO

Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW),

A Convenção sobre a Eliminação de Todas as Formas de Discriminação contra a Mulher (CEDAW), adotada em 1979 pela Assembléia Geral da ONU, é também por muitas vezes descrita como uma Declaração Internacional de Direitos das Mulheres. Composta por um preâmbulo e 30 artigos, define o que constitui discriminação contra a mulher e estabelece uma agenda de ação nacional para acabar com essa discriminação.



Em 10 de Dezembro celebraremos o 72º aniversário da DECLARAÇÃO UNIVERSAL DOS DIREITOS HUMANOS.

Dinalva Heloiza

Logo DUDH

                                                                                                                 
Evolução dos Direitos Humanos

O alindamento dos Direitos Humanos se encontra em uma ordem politica, econômica, social e jurídica justa.

Durante os séculos XVII e XVIII, os racionalistas reformularam as teorias do direito natural, deixando de estar submetido a uma ordem divina, podendo haver a prevalência do estado laico.
ONU
Para os racionalistas todos os homens são por natureza livres com certos direitos inatos, não podendo ser despojados ao adentrarem em sociedade. Esta corrente de pensamento inspirou o atual sistema internacional de proteção dos direitos humanos.  

sexta-feira, novembro 03, 2017

Brasília, João Pessoa e Paraty, são as 3 cidades brasileiras dentre as 64 novas cidades de 44 países, designadas como cidades criativas da UNESCO, pela diretora geral da organização, Miss Irina Bokova

Dinalva Heloiza

Ao todo 64 cidades de 44 países foram designadas pela diretora geral da UNESCO, Miss Irina Bokova, e agora se juntam as cidades criativas da UNESCO. Estas cidades formam uma rede na linha de frente dos esforços da UNESCO para promover a inovação e a criatividade como motores essenciais ao desenvolvimento urbano mais sustentável e inclusivo. Esta rede atrai o crescente interesse das autoridades locais, e turistas conscientes de todas as partes do mundo.

segunda-feira, outubro 23, 2017

Em 24 de Outubro de 2017, celebra-se o “O Dia das Nações Unidas” é o 72º aniversário da organização mundial, que atua universalmente em busca da Paz e o Desenvolvimento mundial!


Em 24 de outubro de 2017, celebra se “O Dia das Nações Unidas”, o 72º da organização mundial, ocorre com um histórico inumerável de atuações em busca da Paz Mundial e o estabelecimento do Desenvolvimento Humano e Sustentável à todos os países do Mundo, onde a Cúpula da ONU, mantém a certeza, do muito que ainda necessita ser realizado e efetivamente estabelecido, com a cooperação de todos!

A ONU,  Organização das Nações Unidas - organização internacional formada por países que se uniram voluntariamente para trabalhar pela paz e o desenvolvimento mundial. 


Em 24 de Outubro de 1945, quando a ONU foi fundada, ficou  estabelecido através da Carta da ONU, que seus países membros se comunicariam em seis idiomas oficiais: inglês, francês, espanhol, árabe, chinês e russo. E mais recentemente, durante a XI CPLP, foi aprovada uma  proposta, e  endossada pelo  atual Secretário Geral das Nações Unidas,  Antonio Guterres, em tornar o idioma português em língua oficial da ONU, o que agora só depende da aprovação da Assembleia Geral das Nações Unidas, sem data ainda para esta resolução.


Mensagem do Secretário Geral das Nações Unidas, Antonio Guterres, para o Dia das Nações Unidas (Inglês)

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

São Paulo

Postagens