As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders

As 7 Maravilhas da Natureza eleitas pela New7Wonders
A América do Sul ganhou com a Floresta Amazônica e a Foz do Iguaçú

sábado, dezembro 03, 2011

Direito e Imprensa

Reputação: Advogados devem saber lidar com a Imprensa


Dinalva Heloiza


Final de semana, quando estou em casa aproveito prá dar uma boa olhada em artigos de outros colegas, postagens de amigos, entrevistas recentes e antigas, dentre outras.´Sempre é possível encontrar relevantes temas e assuntos, que possam somar e agregar valores ao desenvolvimento humano, principalmente no contexto da ética em informação, ou informação com ética. 


Acredito que seja de interesse de todos e principalmente, relativos a minha profissão - Jornalista e Imprensa, e mais ainda relacionados a Justiça, uma das áreas  mais apaixonantes, tenho certeza que se eu não fosse jornalista com certeza seria jurista, a essas duas profissões, eu dedico o meu mais profundo respeito, aos bons e éticos, claro.


E foi numa dessas incursões hoje, que me deparei com um comentário da colega Jornalista Danyla Martins, ao artigo comentando do advogado Marco Túlio Elias Alves que discorre sobre a importância de aliar os exercícios da advocacia juntamente com a imprensa.


Pela relevancia do conteúdo, transcrevo aqui comentário da Jornalista ao Artigo comentado pelo  Advogado Marco Túlio.


                                                             Marco Túlio Elias Alves  


Advocacia e Imprensa: exercícios aliados


Reportando à matéria publicada na última terça-feira (29/11) no site Estratégia na Advocacia “Reputação: Advogados devem saber lidar com a imprensa”, o advogado Marco Túlio Elias Alves discorre sobre a importância de aliar os exercícios da advocacia juntamente com a imprensa.

Mencionando que a OAB tem em sua história a luta pelo direito de informar e sempre zelou por este ideal, o advogado afirma que esta postura faz parte dos alicerces do Estado Democrático. 


“Nesse jogo democrático, todos devem estar bem cientes: o advogado na sua parcialidade e o jornalista na sua imparcialidade.”, pontua. Ainda citando o jurista e político Calamandrei, Marco Túlio ressalta que a parcialidade do advogado garante a imparcialidade do juiz. “Essa imparcialidade deve também mover os atos do próprio jornalista em seu papel de informar.”, salienta.

A partir de história em que vários julgamentos importantes foram influenciados pelos holofotes o advogado frisa que a situação nos faz refletir que a imprensa também pode ser bem aproveitada no papel de informar a versão da defesa, buscando influenciar o senso comum acerca da sua parcialidade. 


“O advogado, dessa forma, deve buscar manter bom relacionamento com a imprensa, de modo a usar o painel com moderação, mesmo sendo parcial, para não cair de descrédito. Nada é pior que um advogado sem reputação ou credibilidade.”, afirma.


Danyla Martins


Marco Túlio Elias Alves é advogado e professor (OAB/GO 25629) – Membro da Comissão de Direitos e Prerrogativas da OAB-GO, triênio 2010/2012. Sócio fundador de Marco Túlio Alves - Escritório de Advocacia. http://www.mtalves.adv.br

Transcrevo aqui o artigo comentado.

Postado originalmente em:  site Estratégia na Advocacia 


“Reputação: Advogados devem saber lidar com a imprensa”,

Atuar no caldeirão de um tribunal do júri já é um grande desafio para advogados e promotores. Mas, quando o caso atrai a atenção da imprensa, o impacto sobre os advogados, promotores, juízes, clientes e testemunhas pode ser profundo. 


Por isso, é preciso aprender a lidar com a imprensa de forma proativa, evitar a declaração "sem comentários" e procurar torná-la uma aliada. A imprensa é bem-vinda nos tribunais porque ela torna o sistema judiciário aberto.

Essas são algumas das conclusões de três advogados, famosos nos Estados Unidos por representar celebridades e por atuar em casos que atraem grande atenção da imprensa, e de uma juíza, que participaram de uma mesa redonda na semana passada. 


O evento foi promovido pela American Bar Association (ABA – a ordem dos advogados dos EUA), por meio de uma conferência pela internet que teve audiência de mais de 3 mil advogados e promotores registrados.

Veja algumas recomendações dos integrantes da mesa redonda:

"Normalmente, a declaração ‘sem comentários’ à imprensa não é uma opção. A razão é a de que alguém vai falar com a imprensa. E a imprensa vai depender, em uma grande medida, da interpretação ou, pior, da tendenciosidade das fontes de informação que conseguir entrevistar. 


Assim, se você se recusa a conceder entrevistas, não vai aproveitar a oportunidade para contestar o que seus oponentes estão dizendo e dar a sua versão da história. Nesse caso, você fica na situação de um advogado em um tribunal do júri em que apenas o outro lado pode falar". 


Você tem de estabelecer algumas regras sobre sua postura diante da imprensa. A primeira é a de que você precisa sempre se assegurar de que está atuando em favor dos interesses de seu cliente e com o consentimento de seu cliente. A segunda obrigação ética é ser preciso nas informações. 


Falar com a imprensa não é a mesma coisa que falar no tribunal. Mas, quando você fala com a imprensa sobre um caso, você observa alguns dos mesmos atributos". (David Boies, presidente da Boies, Schiller & Flexner, defensor de jogadores da NBA (National Basketball Association) e da NFL (National Football League); ele também atuou, na Suprema Corte dos EUA, no caso "Bush vs. Gore", que decidiu as eleições presidenciais de 2000)

"A principal responsabilidade e maior preocupação dos juízes são as de que a atenção para com a impressa e o interesse do público nos procedimentos não prejudiquem o julgamento justo. 


A atenção da imprensa ao que se passa nos tribunais é uma coisa boa, porque ajuda o público a entender o sistema judiciário. 


A imprensa pode cumprir uma função educacional importante e espera-se que a cobertura seja feita de uma maneira que o público dê crédito ao sistema judiciário. Apesar de todas as suas falhas e defeitos, o Judiciário ainda é um sistema único, extraordinário. Por isso, é melhor disponibilizar a melhor informação à imprensa". (Barbara Lynn, juíza distrital dos EUA, em Dallas, Texas)

"Você tem de tratar a imprensa como uma possível aliada. Sei que os advogados prestam um grande serviço, quando falam com os jornalistas e explicam o processo para o benefício do público, em vez de se calar e esperar que a imprensa noticie alguma coisa para, então, reclamar que a imprensa deu informações erradas". 


O advento de novas tecnologias parece colocar a imprensa em conflito com os tribunais, mas, na verdade, ela promove o estabelecimento de um sistema Judiciário aberto. Isso é o que os "fundadores" dos Estados Unidos queriam e é o que colocaram na Constituição. 


A cobertura da imprensa oferece uma oportunidade única para que os cidadãos vejam todo o sistema em ação, em vez de limitar essa faculdade a um pequeno número de pessoas que conseguem lugar no tribunal do júri.  

O advogado e o cliente não devem tentar embelezar as declarações, nem torná-las astuciosas. Assegure-se de que tenham credibilidade. 


Tanto jurados, como jornalistas, têm um faro para perceber quando uma pessoa está representando um personagem falso ou quando não é sincera. É melhor ter um cliente inábil do que um que pareça artificial". (Jonathan Turley, professor da Universidade George Washington, advogado que representa clientes notórios na área das liberdades civis e comentarista jurídico de noticiários)


"Eu aconselho os clientes a evitar os holofotes, a menos que seja necessário refutar informações dadas pelo outro lado, que podem causar danos sérios a ele. Se o cliente insiste em se comunicar com a imprensa, sugiro que, junto com o advogado, faça uma declaração por escrito ou qualquer outro documento que assegure que as suas palavras não sejam usadas fora do contexto, para distribuição aos jornalistas. 

Quando concordo em conceder uma entrevista à imprensa, primeiramente discuto com os jornalistas algumas regras básicas, como o que podemos falar e o que não podemos. Se não posso fazer um comentário, não digo ‘sem comentários’. Em vez disso, escolho o que quero responder ou explico ao repórter porque não posso responder a pergunta. 


Em casos em que a matéria tem uma natureza privada ou envolve crianças, essa pode ser a situação.  Se o cliente só tem a ganhar com entrevistas à imprensa, dar declarações curtas, amáveis e diretas ao ponto é o melhor procedimento. Quanto mais ele falar, mais munição vai dar a outra parte, para ser usada contra ele mesmo, tal como em qualquer boa inquirição cruzada no tribunal. 

Prepare antecipadamente as entrevistas com o cliente. Diga-lhe: ‘isso é tudo o que você vai dizer, nada mais do que isso. O advogado tem de aconselhar o cliente até como ele deve ser vestir para uma entrevista. Você deve praticar, praticar, praticar para falar com a imprensa, da mesma forma que pratica para atuar no julgamento. Mas, ao conceder uma entrevista à imprensa, você vai atuar para um público muito maior do que o do tribunal e não é a mesma coisa que falar para o juiz e para os jurados". (Randall Kessler, advogado de Atlanta, Geórgia, que frequentemente defende estrelas do esporte e do entretenimento, e comentarista jurídico de noticiários)

Os advogados Kessler, Boies e Turley concordaram que os advogados podem usar serviços de assessoria de imprensa ou escrever blogs para explicar seus casos, em vez de serem contatados diretamente pelos jornalistas, em determinadas situações.

Outra recomendação: sair vencedor no tribunal do júri é o objetivo maior dos advogados, mas alguns clientes também querem fazer sucesso na imprensa, diz Boies. Para ele, é importante que os advogados reconheçam isso para manter um bom relacionamento com seus clientes.

"Há alguns clientes para os quais o veredicto da opinião pública é tão importante quanto o veredicto do tribunal. E você tem de ser sensível a isso, sempre levando em conta que não é um assessor de imprensa, mas um advogado. E o que você pode fazer de melhor para seu cliente é ganhar o caso no tribunal. E lhe dar alguns conselhos sobre como lidar com as inquirições públicas", diz.


Fonte: Blog do Advogado e site Estratégia na Advocacia “Reputação: Advogados devem saber lidar com a imprensa”,

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comente essa Postagem

Postagens populares

ONU Brasil

Portal IBRE

Governo de Goiás

São Paulo

Postagens